CoronavírusDestaque 3Mais LidasNotícias

Ômicron apareceu na Holanda antes de detecção na África do Sul

Ômicron apareceu na Holanda antes de detecção na África do Sul
Foto: EPA / Ansa

Ômicron apareceu na Holanda antes de detecção na África do Sul.

A nova variante do coronavírus, batizada de Ômicron, foi detectada na Holanda em testes realizados entre os dias 19 e 23 de novembro, antes de a África do Sul relatar a cepa à Organização Mundial de Saúde (OMS), no último dia 24.

A informação foi divulgada nesta terça-feira (30) pelas autoridades de saúde holandesas. Com isso, a descoberta coloca uma nova data de entrada do vírus em território holandês, antes portanto de dois voos que chegaram da África do Sul na semana passada trazendo o vírus.

De acordo com o Instituto Nacional de Saúde Pública da Holanda (RIVM), pelo menos 14 pessoas em voos de Johanesburgo e da Cidade do Cabo chegaram ao aeroporto de Schiphol, em Amsterdã, em 26 de novembro, carregando a nova variante.

“Encontramos a variante Ômicron do coronavírus em duas amostras de teste que foram coletadas em 19 e 23 de novembro”, diz a nota. “Não está claro ainda se essas pessoas visitaram o sul da África”.

As evidências iniciais sugerem que a Ômicron tem um risco de reinfecção mais alto. Mas os cientistas dizem que levará cerca de três semanas até que se saiba como a variante com grande mutação afeta a eficácia das vacinas.

“Em um teste especial de PCR, as amostras mostraram uma anormalidade na proteína spike”, disse o RIVM. “Isso levantou a preocupação de que a variante Ômicron possa estar envolvida. [Os funcionários de saúde] notificarão as pessoas envolvidas e iniciarão o rastreamento de fontes e contatos”, acrescentou o documento.

O instituto holandês também afirmou que várias cepas diferentes da Ômicron foram encontradas entre os passageiros a bordo dos dois voos no domingo.

“Isso significa que muito provavelmente as pessoas foram infectadas independentemente umas das outras, de diferentes fontes e em diferentes locais”, explicou um porta-voz.

Além disso, as autoridades holandesas estão tentando entrar em contato e testar cerca de 5 mil outros passageiros que chegaram de viagem da África do Sul, Botswana, Eswatini, Lesoto, Moçambique, Namíbia ou Zimbábue.

OMS –

Diante da disseminação da nova variante, a Organização Mundial da Saúde aconselhou maiores de 60 anos e pessoas frágeis a não viajarem.

“Pessoas que não estão bem ou que correm o risco de desenvolver a doença da Covid-19 grave e, portanto, morrer, incluindo pessoas com 60 anos ou mais ou com comorbidades, por exemplo, doenças cardíacas, câncer e diabetes, devem ser aconselhadas a adiar a viagem”, escreveu a entidade em um comunicado.

Fonte: Terra

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo